Nota biográfica

Nasceu em Lisboa em Janeiro de 1974 e reside na Amadora. Escreve com assiduidade no seu blogue.

Vera Sousa Silva – “Memórias de ti.”

27.06.2012 | Produção e voz: Luís Gaspar

No silêncio dos teus lábios
ecoa o meu medo
e sombras perseguem-me
gritando-me do teu desdém.

Rios descem dos meus olhos
naufragando em vestes
de versos quentes
que te sussurrei
num leito d’ âmbar.

Sufoca-me o tempo,
medida da saudade
do teu corpo.

Asfixia-me a demora
em ter teu beijo,
único alimento
da minh’alma.

Estremeço ausente,
mergulho no sonho
e morro nas memórias de Ti!

(Do livro “Bipolaridades”. Ed. Lua de Marfim.)

Vera Sousa Silva – “Confissões de uma vítima de violência doméstica”

27.06.2012 | Produção e voz: Luís Gaspar

Sou um corpo que deambula ao acaso, que 

vive com medo todo o dia. Amostra de ser

mal amado sem conhecer felicidade e 
alegria.

Uma mulher constantemente criticada que 

chora apenas escondida consciente que

não vale nada e a imagem totalmente

denegrida.

Escondo os hematomas como sei.

Habituei-me há muito a mentir… Vivo

uma vida como nunca pensei com a maior

parte do tempo a fingir.

Esta mão, assim queimada, e a doer, é

porque sou tão distraída… Meti-a numa

panela a ferver e fiquei tão arrependida.

Tapo as nódoas negras com roupa 

de Inverno, mesmo no Verão.

Apenas porque sou meia louca

passo a vida a cair ao chão.

A boca, assim cortada, foi 

apenas porque sorri… Não sei

estar calada! Apanhei porque

mereci.

Quando parti o braço direito foi

porque me maquilhei nesse dia. Mas 

afinal, foi bem feito, porque parecia

uma vadia.

0 meu corpo está tão cansado não

aprendo a me comportar para viver

bem com meu amado, que tudo faz 

por me amar.

Farta dos meus erros e maldade subo 

até ao vigésimo andar! Salto, enfim,

para a liberdade, e já sou feliz… a 

voar!

(Do livro “Bipolaridades”. Ed. Lua de Marfim.)

Vera Sousa Silva – “Saltos Altos”

27.06.2012 | Produção e voz: Luís Gaspar

Ela chegou de vermelho.

Vermelho nos lábios, vermelho
na seda do vestido.
Ele beijou-a
e suavemente acariciou
o corpo macio.

Despiu-a
e era vermelho
o tom interior
daquela lingerie rendada.

Os sapatos,
de saltos altos,
vermelhos,
fizeram parte do momento
que cinicamente ele comprou.

Ela chegou de vermelho,
e saiu vermelha de nojo e de
raiva.

(Do livro “Bipolaridades”, Ed. Lua de Marfim)

Vera Silva – “Voluptuosidade”

17.01.2012 | Produção e voz: Luís Gaspar

Invades-me a alma
Num beijo molhado
Que me aquece o corpo
E me leva à entrega absoluta.

Já não sei quem sou

Perco-me nas partículas
Que te cobrem, envolvem,
E abarco-te com volúpia
No íntimo de mim.

Já não sei onde estou

Em ondas uníssonas e ritmadas,
Entre gritos e gemidos,
Salivamos torrentes de amor
Que se quedam eternas.

Já não sei de mim

O colapso final surge
Entre ejaculações e contracções
E palavras de amor
No declínio da tensão.

Já não somos dois

Vera Silva – “Sou tua”

17.01.2012 | Produção e voz: Luís Gaspar

O meu corpo
Tem toque de veludo
Na entrega carnal
Dos afectos
E desejos incontidos
Que não escondo
Atrás de máscaras
De menina decente.
Sou mulher,
Inteira, completa,
E quero-te
Ávido de mim,
Sedento dos meus seios
E ansioso
Pelo roçar das minhas coxas
Que se abrem para te receber.
Completa-me e mistura-te
Com os fluidos lascivos
Que se unificam
Em matéria
Que anseio receber
Dentro de mim

Vem
Sou tua!

Vera Silva – “Sintonia”

17.01.2012 | Produção e voz: Luís Gaspar

Caem as letras, uma a uma…
Cai a nossa roupa, espalha-se pelo chão,
Rebolam os versos nos nossos corpos
Em alegre sintonia.
Sinto-te na minha carne, quente…
Entras devagar, dentro de mim
E sacias-me a fome e o querer.

Transpiras-me,
Inspiras-me!

Realizo-te as fantasias mais loucas
Numa entrega indiscreta,
E quente, ardente…
Tomo-te e imaginas-me tua.
Inventamos caminhos indecentes
Para percorrermos juntos
E chegarmos, loucamente, ao fim

Inspiras-me!
Transpiras-me!

Vera Silva – “Saberás o que queres?”

17.01.2012 | Produção e voz: Luís Gaspar

Não temas amar-me
Nem receies os calafrios que te provoco.
São meros sentimentos
E o egoísmo fica-te mal…
Sou mulher, sou inteira
E amo-te assim,
De uma forma que jamais entenderás.
Não tentes entrar no azul dos meus olhos
Porque te afogarias.
A tua alma já está possuída
Pelo meu coração…
Mesmo que não queiras!
Não me ouças a dormir
Se te sussurro num lamento
Quando estás aqui
E me viras as costas.
Provocas-me e atiças-me,
Afastas-me…
Saberás o que queres?
Eu sei…
Quero-te a ti!
Não sorrias…
Não sejas convencido!
Não fujas,
Escondida ando eu…
Mas apenas de mim.

Vera Silva – “Amante sensual”

14.01.2012 | Produção e voz: Luís Gaspar

Abre a boca
E devora-me a língua
Em gestos soltos e precisos
Como se não te chegasse o tempo
Para me amares com loucura.
Enrosca-te nas minhas coxas
E prova o meu néctar de mulher.
Deixa-me gritar
E leva-me ao céu,
Entra em mim
Profundo,
Em movimentos perfeitos
De amante sensual,
E no fim
Sacia-me a sede
Do teu vigor.