Poesia indiana – “25 a 50″

13.01.2012 | Produção e voz: Luís Gaspar

Poesia erótica escrita há 1.000 anos atribuída a Bilhana, poeta que terá vivido no sec XI, em Caxemira.
Estes poemas têm atrás de si uma lenda. Diz-se que Bilhana os declamou enquanto subia para o cadafalso onde ia pagar com a vida a ousadia de se ter apaixonado pela filha do Rei

25·
Mesmo agora recordo o seu corpo 

Ardendo de desejo a sua pele 

Colada à minha como roupa molhada 

Como poderia esquecê-la digna
Agora de compaixão privada do seu amante
26
Mesmo agora sonho com ela 

A mais bela entre as mais belas

Filha de rei criada para ser o receptáculo do amor 

Incapaz de suportar a separação
27
Mesmo agora sabendo que a cada 

Instante a morte se aproxima 

O meu espírito abandona o culto dos deuses

E persegue a minha amada
28
Mesmo agora assalta-me a recordação 

Desses olhos de corça assustada

Dessa voz trémula das lágrimas que lhe invadiam 

A face da cabeça vergada sob o peso da amargura 

Quando escutou a minha sentença
29
Mesmo agora por mais que me esforce

Não me recordo de alguma vez ter contemplado 

Um rosto como o seu
A sua beleza 

Eclipsa a da deusa do amor e a da lua
30
Mesmo agora recordo o seu púbis 

Os lábios dessa vulva que me protegiam 

Da insolação do desejo Veneno 

Na separação momentânea no reencontro 

Uma taça cheia de néctar
31
Mesmo agora atormenta-me o espírito 

Recordar como os soldados do rei 

Semelhantes aos mensageiros da morte 

Com braços terríveis me arrancaram do seu leito 

E o que ela não fez para me defender
32
Mesmo agora o meu coração sofre noite 

E dia por nunca mais poder voltar 

A ver nem que seja por um instante

Esse rosto belo como a lua cheia 

Cuja frescura faz empalidecer os jasmins
33
Mesmo agora o meu espírito vagueia 

À procura da minha amada 

Nunca ninguém colheu melhor 

Os frutos dos seus verdes anos 

Que 
Ela me possua em cada nova reincarnação
34·
Mesmo agora ressoa com força no meu 

Espírito o tilintar das suas pulseiras 

Nuvens de abelhas cobriam-lhe o rosto 

Atraídas pelo lótus em flor da sua boca 

Recordo o modo como com os dedos 

Tentava afastá-las dos cabelos
35·
Mesmo agora recordo a embriaguez 

Causada pelo mel que a minha língua 

Sorvia da sua boca e as marcas das

Minhas unhas nos seus seios eriçados de prazer 

Que ela guardava como um tesouro
36·
Mesmo agora recordo o seu ar agastado 

Perante a eminência da minha partida

A impaciência com que em silêncio

Me oferecia os lábios
Abraçava-a

E caía a seus pés como um escravo
37
Mesmo agora o meu espírito regressa 

Ao seu leito Rio e danço entre as suas 

Companheiras estreitando os seus corpos

Graciosos perdendo-me por fim 

Entre as coxas da minha amada
38.
Mesmo agora ignoro se ela é parecida com Xiva

Ou alguma criatura criada pela maldição de lndra 

Ou a esposa de Krisna ou se Brahma

Lhe deu vida para enfeitiçar o mundo 

Ou para ver entre as jovens um clarão
39·
Mesmo agora ignoro se alguém neste mundo 

Poderia descrever esse corpo 

Que só a mim se desvendou
Quem 
Quisesse descrever essas formas voluptuosas 

Só se conhecesse alguém que a igualasse
40·
Mesmo agora vejo os seus olhos 

Escurecidos pelo antimónio 

Os lábios ardentes os brincos 

Agitando-se nas orelhas o corpo 

Curvado devido ao peso dos seios 

Sem que eu a possa possuir
41
Mesmo agora se pudesse 

Beijaria sem cessar esse rosto transparente

Como a lua de Ourono capaz de roubar 

O coração dum eremita
Como não 
De ter roubado o meu
42.
Mesmo agora sacrificaria tudo 

Se me fosses permitido regressar 

A esse santuário de prazer 

Perfumado com essência de flores de lótus 

Húmido ainda de esperma perante 

O qual se prostrou o deus do amor
43·
Mesmo agora neste mundo

Onde os sinais de beleza se defrontam 

Encarniçadamente o meu coração 

Acredita que ninguém conseguirá 

Eclipsar a beleza da minha amada
44·
Mesmo agora sobre as ondas frementes

Do rio do meu espírito a minha amada desliza 

Como um cisne real imputando 

Às carícias fugidias dos grãos de pólen 

A sua ligeira fadiga
45·
Mesmo agora sonho com essa princesa 

Filha do mais nobre dos reis 

Com os seus olhos ardentes de desejo 

Criança que um dia desceu dos céus 

Filha dos músicos celestes dos génios dos cantores 

Divinos dos deuses e da serpente-virgem
46.
Mesmo agora não consigo esquecê-la 

Ao acordar curvando-se perante o altar

Os seios como cântaros cheios de néctar

O corpo com adornos coloridos
47·
Mesmo agora recordo a beleza doirada 

Do seu corpo sugerindo fadiga 

Para não parecer impudica 

Perturbada pelos meus beijos apaixonados 

E pelo contacto das nossas coxas 

Ela deixava – como uma planta por onde 

Sobe a seiva – que o desejo a possuísse
48.
Mesmo agora recordo como era implacável 

Na batalha sem armas do amor 

Como nós apesar de enlaçados 

Nos conseguíamos levantar e deitar 

Sem o apoio das mãos
Recordo 
O sangue das mordeduras nos seus lábios 

E dos arranhões nas suas coxas
49·
Mesmo agora não consigo imaginar 

Como poderia suportar a dor da separação 

Só a morte – que ela chegue depressa _ 

Poderá dissipar essa dor
50·
Mesmo agora Xiva não rejeita o negro veneno 

A tartaruga transporta no dorso a terra 

O mar alberga terríveis fogos 

A mim só me resta cumprir o prometido