Nota biográfica

Maria Alberta Trovisco Garcia Menéres de Melo e Almendra (n.Vila Nova de Gaia, 25 de Agosto de 1930),professora, jornalista e escritora portuguesa. É mãe da cantora Eugénia Melo e Castro.

Maria Alberta Menéres – “Água-Memória”

08.01.2012 | Produção e voz: Luís Gaspar

Que súbita alegria me tortura
alegria tão bela e estranha
tão inquieta
tão densa de pressentimentos?

Que vento nos meus nervos
que temporal lá fora
que alegria tão pura, quase medo ao silêncio?

Pára a chuva nas árvores
pára a chuva nos gestos,
interiores contornos
divisíveis distâncias
ultrapassáveis gritos
que alegria no inverno,
que montanha esperada ou inesperado canto?

facebooktwittermailby feather

Maria Alberta Menéres – “Pedras”

08.01.2012 | Produção e voz: Luís Gaspar

Que súbita alegria me tortura
alegria tão bela e estranha
tão inquieta
tão densa de pressentimentos?

Que vento nos meus nervos
que temporal lá fora
que alegria tão pura, quase medo ao silêncio?

Pára a chuva nas árvores
pára a chuva nos gestos,
interiores contornos
divisíveis distâncias
ultrapassáveis gritos
que alegria no inverno,
que montanha esperada ou inesperado canto?

facebooktwittermailby feather

Maria Alberta Menéres – “Sósia”

08.01.2012 | Produção e voz: Luís Gaspar

Ele, não era ele. Era o igual,
o que sorvera os frutos transparentes
que tombavam do rosto
de outra mãe.

Mas tinha o mesmo andar
a mesma raiva
de concentrar os passos imponentes
no poderoso círculo

Ele não era ele. Era o igual,
mas escondia na alma que restava
uma bala perdida e rebrilhando
ao sol como um pedaço de cristal.

Quando o prenderam e o condenaram
em vez do outro que este sim
salvara,
nunca os olhos pararam de brilhar.

Quem era ele, se assim tomava
sobre os seus ombros o destino alheio
que alheio já não era, mas o seu
próprio destino procurado ou não?

Ele não era ele. Era o igual.
Mas quando a bala o procurou
no peito,
encontrou sua vítima perfeita.

Antologia da Poesia Portuguesa Contemporânea, Lacerda Editora,
1999 – RJ, Brasil

facebooktwittermailby feather