Nota biográfica

Valter José Guerreiro, licenciado em Ciências Sociais e Políticas, residente em Carcavelos, com actividade profissional mais centrada no ensino universitário do que na administração pública e actualmente a dedicar-se à escrita a tempo inteiro.

Valter José Guerreiro – “Os delírios da paixão”

05.04.2012 | Produção e voz: Luís Gaspar

És absolutamente transcendente, única e fabulosa
Ninguém é como tu, jamais alguém o foi ou o será
Nem és deste mundo de tão etérea, de tão formosa
Seres no meu peito, e no meu leito, e naquela rosa
Que não está ali, nunca lá esteve e nunca estará

Mas que eu invento no Olimpo do teu corpo
Onde há as flores e os mundos que eu quiser
E os mares, os ares e as fronteiras se dissipam
Porque tu mais do que deusa, és a mulher
Em que eu viajo até aos lugares onde ficam
Os crepúsculos e os poentes que eu souber

Imaginar nos silêncios que te levam p`ra tão longe
E me levam p`ra tão perto do melhor que sei amar
Levando-me p`ra tão longe, pr`a tão lá do horizonte
Que nos crepúsculos há luz e nos poentes há mar

De sereias, de duendes, de bacos e querubins
Que vêm em caravelas e trazem sacos de estrelas
P`ra incendiar o teu ventre entre plátanos e jasmins
Em que me queimo e perfumo, me deito e nunca durmo
Porque ao que vou é tão grande e tanto colho de ti
Que no regresso nem sei quem era quando parti

Eu regresso em granito e em nenúfares me deito
De nenúfares sou feito e de granito me couraço
Quando te abraço, no feminino, no masculino…
E te beijo como homem, como menino…
E em ti me sento…
Como complemento, como suplemento…
Porque te invento…
A partir de mim…
Tu não existes,
Eu sou assim…

facebooktwittermailby feather