Category Archives: Mário Dionísio

Mário Dionísio (Lisboa, 16 de Julho de 1916 – Lisboa, 17 de Novembro de 1993) foi um escritor e pintor português do século XX.

Mário Dionísio – “Um dia…”

Um dia
 quando já não vieres dizer-me  Vem
 jantar
 
 quando já não tiveres dificuldade 
em chegar ao puxador
 da porta  quando
 
 já não vieres dizer-me  Pai
 vem ver os meus deveres
 
 quando esta luz que trazes nos cabelos 
já não … Continue reading

Posted in Mário Dionísio | Tagged , , , , , | Comments Off

Mário Dionísio – “Para Ser Lido Mais Tarde”

Um dia quando já não vieres dizer-me  Vem jantar   quando já não tiveres dificuldade em chegar ao puxador da porta  quando   já não vieres dizer-me  Pai vem ver os meus deveres   quando esta luz que trazes nos … Continue reading

Posted in Mário Dionísio | Tagged , | Comments Off

Mário Dionísio – “Ode”

Oh tempo de hoje a tua face é odiada por milhões Quem não te amaldiçoou ao menos uma vez? e não crispou as mãos e o rosto ao menos uma vez ao remoinho impiedoso das tuas contradições? Meu tempo meu … Continue reading

Posted in Mário Dionísio | Tagged , | Comments Off

Mário Dionísio – “Mil Anos Que Viva”

Mil anos que viva não se apaga a imagem sombria e vacilante dum homem desconhecido numa esquina com um lenço na mão manchado de sangue uma imagem sombria e vacilante cambaleante no regresso instável das zonas baças onde o tempo … Continue reading

Posted in Mário Dionísio | Tagged , | Comments Off

Mário Dionísio – “A poesia está na vida”

A poesia está na vida, nas artérias imensas cheias de gente em todos os sentidos, nos ascensores constantes, na bicha de automóveis rápidos de todos os feitios e de todas as cores, nas máquinas da fábrica e nos operários da … Continue reading

Posted in Mário Dionísio | Tagged , | Comments Off

Mário Dionísio – “Os Amigos Desconhecidos”

Quando ouvi onde ouvi este rosto vulgar e fatigado estes olhos brilhantes lá no fundo e este ar abandonado e inconformado que aproxima? Quando ouvi esta voz que se eleva em surdina em meu ouvido e diz frases tão conhecidas? … Continue reading

Posted in Mário Dionísio | Tagged , | Comments Off

Mário Dionísio – “Elegia ao Companheiro Morto”

Meu companheiro morreu às cinco da manhã Foi de noite ao fim da noite às cinco em ponto da manhã Ah antes fosse noite noite apenas noite sem a promessa da manhã Ah antes fosse noite noite noite apenas noite … Continue reading

Posted in Mário Dionísio | Tagged , | Comments Off