J. T. Parreira – “A tarefa do poeta”

10.01.2012 | Produção e voz: Luís Gaspar

“Le poète a fini sa tâche”
Paul Verlaine

 
O poeta acabou a sua tarefa.
A época não foi de rosas
nem de sonetos que batem
como o coração das amadas
nem de salmos que são a língua
instrumental dos anjos.

A tarefa do poeta não é o desenho
de uma harpa no vento
de uma rosa no papel
irrespirável.

O poeta acabou o seu tempo.
Cansaço dos sonhos que irrigam
o cérebro, com as alegrias
alguns desencontros? o poeta
acolhe o fim com as mãos lentas
da tranquilidade.

O poeta pousou as armas.
Embora o dia continue a subir
na revolução ardente do sol
embora a poesia
continue a nascer, o poeta
cansado, pousou as palavras.

facebooktwittermailby feather

J. T. Parreira – “A mão direita do poerta”

10.01.2012 | Produção e voz: Luís Gaspar

«The riches of the poet are equal to is poetry
Delmore Schwartz

A mão direita do poeta é pesada
mas flutua sobre as nossas cabeças
como a água que derrama
claridade sobre a mesa, a mão
direita do poeta é a sua riqueza.
A mão direita do poeta puxa
o mundo para cima, o poeta sonha
com a sua mão direita.
Quando o vento agita cortinas na janela
e põe gelo nos vidros, a mão direita
do poeta conta a mais pequena sílaba,
o gelo do vento nos vidros
é um gume de silêncio.
Não é frívola, preciosa, ou fraca
é apenas a mão direita
do poeta, poderosa
mão cega excepto para deter
a redonda ternura
de uma lágrima.

facebooktwittermailby feather