Nota biográfica

(1031-1086) foi um poeta nascido em Silves. Contudo ele era pobre e pouco conhecido, a sua habilidade na poesia e sobretudo a sua beleza masculina, atraiu o jovem Abbad III al-Mu’Tamid, que o nomeou primeiro-ministro algum tempo após a morte do seu pai Abbad II. Ibn Ammar era conhecido por ser invencível a jogar xadrez; de acordo com Abbelwaid al-Marrakushi, a sua vitória num jogo convenceu Afonso VI de Castela a abandonar Sevilha. Planeou a anexação de Múrcia ao reino de Sevilha, convencendo Al-Mu'Tamid a nomeá-lo seu governador. Rapidamente proclamou-se a si próprio como rei e cortou relações com Al-Mu'Tamid. Caiu do poder rapidamente, sendo capturado numa emboscada e aprisionado em Sevilha. Al-Mu'Tamid tendeu inicialmente para o seu perdão, mas ficou mais tarde indignado por algo que leu numa carta intercetada enviada por Ibn Ammar da sua cela. Foi o próprio rei a matar o poeta.

Ibn Ammar – “A Amada”

06.03.2016 | Produção e voz: Luís Gaspar

medieval

Ela é uma frágil gazela:
Olhares de narciso
Acenos de açucena
Sorriso de margarida.
E os seus brincos se agitam
Quedam-se os braceletes na escuta
Da música do requebro da cintura.
Bom é que não esqueçais
Que o que dá ao amor rara qualidade
É a sua timidez envergonhada.
Entregai-vos ao travo doce das delícias
Que filhas são dos seus tormentos.
Porém, não busqueis poder no amor…
Que só quem da sua lei se sente escravo
Pode considerar-se realmente livre.

facebooktwittermailby feather