Nota biográfica

Ermelinda Pereira Xavier (1931) - Nasceu no Lobito e licenciou-se em direito pela Universidade de Coimbra. Viveu na Vila do Crato onde desempenhou as funções de Conservadora do Registo Civil. Pertenceu ao Movimento dos Novos Intelectuais de Angola e colaborou na ”Mensagem”, “Cultura II” e em algumas publicações portuguesas. Terá, muito cedo, abandonado a produção literária.

Ermelinda Xavier – “Choro”

28.01.2016 | Produção e voz: Luís Gaspar

norberto_costa
(Pintura de Norberto Costa)

Ai barco que me levasse
a um rio que me engolisse
donde eu não mais regressasse
p’ra que mais ninguém me visse!

Ai barco que me levasse
sem vela ou remos, nem leme
p’ra dentro de todo o olvido
onde não se ama nem teme.

Ai barco que me levasse
aos tesouros conquistados
por entre esquinas de perigos
dos mil caminhos trilhados.

Ai — onde? — que me levasse
bem dentro de um vendaval…
Barco berço, barco esquife
onde tudo fosse igual.

Ai barco que me levasse
toda estendida em seu fundo!
Nesga de céu a bastar-me
toda a saudade do mundo!

facebooktwittermailby feather