Nota biográfica

CARLOS CONDE (1901 - 1981). A história do fado veio a consagrá-lo como destacado poeta popular, autor de inúmeros repertórios de fados e textos de cegadas, musicados ao longo das décadas de 20 e 30 do século passado.

Carlos Conde – “Conceito”

07.10.2014 | Produção e voz: Luís Gaspar

asno14

Quando eles não valem nada

Não se ganha em discutir

Não é bom servir de escada

Para qualquer asno subir

Há gente que só diz mal

Para se impor, para ser notada

Quem discute menos vale

Quando eles não valem nada

E quem pouco valor tem

Só se vinga em deprimir

O desprezo chega bem

Não se ganha em discutir

Quem maldiz por ser ruim

Nunca vence a caminhada

A nulidades assim

Não é bom servir de escada

Quem vence de fronte erguida

Não se dispõe a servir

Como ponto de partida

Para qualquer asno subir

(Este poema foi cantado, em fado, por Alfredo Marceneiro)

facebooktwittermailby feather