Nota biográfica

António Osório (Setúbal, 1933 ), é um escritor e poeta português. É o poeta do amor e da fulguração, dos afectos e dos silêncios.

António Osório – “Nascente”

12.03.2012 | Produção e voz: Luís Gaspar

Quando sinto de noite
o teu calor dormente
e devagar
para que não despertes
digo: cedro azul,
terra vegetal,
ou só
amor, amor;
quando te acaricio
e devagar
para que não despertes
tomo na mão direita
as duas fontes, iguais, da vida,
procuro a nascente
e adormeço
nela essa mão depositando.

facebooktwittermailby feather

António Osório – “Os Loucos”

12.03.2012 | Produção e voz: Luís Gaspar

velha13

Há vários tipos de louco.

O hitleriano, que barafusta.
O solícito, que dirige o trânsito.
O maníaco fala-só.

O idiota que se baba,
explicado pelo psiquiatra gago.
O legatário de outros,
o que nos governa.

O depressivo que salva
o mundo. Aqueles que o destroem.

E há sempre um
(o mais intratável) que não desiste
e escreve versos.

Não gosto destes loucos.
(Torturados pela escuridão, pela morte?)
Gosto desta velha senhora
que ri, manso, pela rua, de felicidade.

facebooktwittermailby feather