Nota biográfica

Trovador português, do qual se conhecem poucos dados biográficos, sabendo-se, porém, que pertencia a uma família da nobreza. Partidário de D. Sancho II na luta contra o irmão, D. Afonso III, viu-se obrigado ao exílio em Castela após a vitória deste último. Na corte castelhana, gozou de enorme prestígio literário e autoridade moral. Foram-nos transmitidas treze composições da sua autoria: oito cantigas de escárnio, uma delas contra Bernal de Bonaval, e cinco sátiras políticas. A mais interessante destas critica os vassalos de D. Sancho II por terem entregue ao usurpador, sem qualquer resistência, os castelos recebidos do anterior monarca.

Airas Peres Vuitoron – “Don Estevão”

17.03.2016 | Produção e voz: Luís Gaspar

airas

Português moderno

Dom Estevão diz que desamor
tem com el-rei, e eu sei porque mente,
é porque nunca teve prazer, enquanto esteve aqui
o Conde, nem terá, enquanto ele aí estiver,
e, por quant’ eu dos seus bens sei,
como não vem ao reino el-rei,
não acha prazer em nada
Com arte diz que não quer bem a el-rei
mas eu sei que ele já não terá
nunca prazer, se o Conde reinar,
porque bem longe está de alguma coisa ter
dom Estevão, ond’ haja grão prazer!
Deste já ele está bem longe de ver,
enquanto o Conde for senhor de Santarém.
Por que vos diz ele que quer a mal a el-rei?
é porque não vê nada, assim Deus me perdoe,
que ele mais ame no seu coração
nem verá nunca, e vos direi mais:
posto que se agora o reino partiu,
prazer, pois, nunca dom Estevão teve
nem terá jamais em Portugal!

Português antigo

Don Estevam diz que desamor
á con el-rey, e sey eu ca ment’i,
ca nunca uiu prazer, poys foi aqui
o Conde, nen ueerá, mentr’ el i for,
e, per quant’ eu de sa fazenda sey,
por que non uen ao reyno el-rey,
non uee cousa ond’ aia sabor.
Con arte diz que non quer a ‘l-rey ben
ca sey eu d’el ca iá non ueerá
nunca prazer, se o Conde reynará,
ca ben quit’é de ueer nulha ren
don Esteuan, ond’ aia gran prazer!
d’ est’ é iá el ben quite de ueer,
mentr’ o Cond’ assy ouuer Santaren.
Por que uos diz el que quer a ‘l-rey mal?
ca ren non uee, assi Deus mi perdon,
que el mays ame eno seu coraçonnen
ueerá nunca, e direy-uos al:
poys que ss’agora o reyno partiu,
prazer poys nunca don Estevan uyu
nen ueera iamays en Portugal!

Este poema faz parte do iBook “Coletânea da Poesia Portuguesa – I Vol. Poesia Medieval”
disponível no iTunes.
Transcrição do Português antigo para o moderno de Deana Barroqueiro.

facebooktwittermailby feather