Paulo Afonso – O Amanhã”

17.01.2012

Navego no rio cor de fogo
sinto-te
nessa árdua ausência
e o pôr-do-sol
foge-me das mãos
como este dia enigmático.
Navego só
com a solidão das águas moribundas

por ora,
sinto-me assim

preso nos desejos
no seio das inépcias

o que tiver que acontecer
só o amanhã dirá!

facebooktwittermailby feather
28002800