Nota biográfica >>

Manuela Nogueira frequentou os cursos do IADE de Cerâmica, Pintura e Desenho e História da Arte. Escreve, desde 1962, obras para adultos e infanto-juvenis. Colaborou em Diários e Revistas, traduziu textos ingleses de Fernando Pessoa, organizou exposições, palestras e colaborou em programas televisivos e radiofónicos sobre o poeta de quem é sobrinha.

Manuela Nogueira – “O amante esbelto”

12.01.2012

Queria que o meu amante esbelto
me trouxesse o amor fecundo
antes do caos que criou o mundo
plantando as centelhas do início;
queria o âmago do amor
mesmo fictício.

No abraço do amante esbelto
a promessa da fidelidade sagrada
o começo da explosão e implosão
o nada reduzido à planície primeira
onde a ungida flor abrisse ao Sol.

Esqueçamos o amante esbelto
e a inútil promessa herdada
somos apenas a humana raça
pendurada num imenso estendaI
erguida em fria madrugada.

Fixemos apenas o espasmo visceral
que celebra o que chamam amor
depois do acto, chegue a velha ama
para não mais deixar de nos embalar
o mar acolherá nossas lágrimas de sal.

E na imensidão do mar profundo
a luz penetrada é quilha de prata
antes do caos que criou o mundo
era eu a eleita por ele amada …
do amante esbelto esqueci o nome.

facebooktwittermailby feather
21672167