Nota biográfica >>

Alcaide-mor da fortaleza de Zagala, por carta de nomeação de 14/03/1478, Jorge de Aguiar foi capitão de uma armada que partiu para a Índia, em 1508, e se perdeu nas ilhas Tristão da Cunha. Teófilo Braga, di-lo filho de Pedro de Aguiar e de Mécia Sequeira, ama da princesa Joana (filha de D. Afonso VI, e marido de D. Violante de Vasconcelos, filha de João Rodrigues de Vasconcelos. Jorge de Aguiar participa no “Processo do Cuidar e Suspirar” que abre o Cancioneiro de Resende, alinhando nas fileiras a favor do “Cuidar”.

Jorge Aguiar – “Coração já repousavas”

05.05.2016

soares_coelho

Português moderno

Coração já repousavas,
Já não tinhas sujeição,
Já vivias, já folgavas;
Pois porque te subjugavas
Outra vez, meu coração?
Sofre, pois te não sofreste
Na vida que já vivias;
Sofre, pois te tu perdeste,
Sofre, pois não conheceste
Como outra vez te perdias;
Sofre, pois já livre estavas
E quiseste sujeição;
Sofre, pois te não lembravas
Das dores de que escapavas:
Sofre, sofre, coração!

Português antigo

Coraçam já repousavas,
Já não tinhas sujeiçam,
Já vivias, já folgavas;
Pois porque te sojigavas
Outra vez, meu coraçam?
Sofre, pois te não sofreste
Na vida que já vivias;
Sofre, pois te tu perdeste,
Sofre, pois não conheceste
Como te outra vez perdias;
Sofre, pois já livre estavas
E quiseste sujeiçam;
Sofre, pois te não lembravas
Das dores de que escapavas:
Sofre, sofre, coraçam!

Este poema faz parte do iBook “Coletânea da Poesia Portuguesa – I Vol. Poesia Medieval”
disponível no iTunes.
Transcrição do Português antigo para o moderno de Deana Barroqueiro.

facebooktwittermailby feather
74637463