Nota biográfica

Trovador português, nascido por volta da década de quarenta do século XII, João Soares de Paiva é o mais antigo autor com obra conservada presente nos cancioneiros medievais galego-portugueses. Filho de D. Soeiro Pais, dito o Mouro, e de D. Urraca Mendes de Bragança, cuja união se processou logo após a batalha de Ourique (onde faleceu o primeiro marido de D. Urraca), João Soares era oriundo de uma linhagem implantada nas margens do rio Paiva, a sul do Douro. Está documentado em Portugal em 1169 e 1170, data a partir da qual se deverá ter ausentado do país, ao que parece de forma definitiva, ou, pelo menos, muito prolongada. Na verdade, a sua única cantiga conservada, que se pode datar dos anos finais do século XII, indica-nos que se encontrava, na época, nas terras que detinha na fronteira navarra-castelhana- -aragonesa. 60

João Soares de Paiva – “Agora faz isso…”

27.04.2016 | Produção e voz: Luís Gaspar

guilhade

Português moderno

“Agora faz isso o senhor de Navarra,
pois em Provença é o rei de Aragão;
não têm medo, nem do seu pico, nem à sua Marra
em Tarazona, nem que está perto;
não têm medo de lhes colocar aríetes
e serão rir muito Inzura e Darren;
mas, se Deus traz o senhor de Monção
estou certo de que lhes destruirá a bacia.
Se o bom Rei lhes arrasa a Escudela,
que de Pamplona ouvistes chamar,
mal ficará o outro em Tudela,
não tem outra coisa de que se preocupar:
pois verá o bom Rei em acampamento
e destruir até o burgo de Estella:
verás sofrer os navarros e ao senhor
que a todos comanda.
Quando o senhor sai de Tudela, lança
ele a sua hoste e todo o seu poder;
bem sofrem aí de sacrifício e de pena,
pois saem para roubos e voltam correndo;
o Rei procura, como perito,
que não amanheça em terra alheia,
e de onde partiu, ele torna a dormir,
o almoço ou então o jantar.”

Português antigo

“Ora faz ost’o senhor de Navarra,
pois en Proenç’est’el-Rei d’Aragon;
non lh’an medo de pico nen de marrra
Tarraçona, pero vezinhos son;
nen an medo de lhis poer boçon
e riir-s’an muit’Endurra e Darra;
mais, se Deus traj’o senhor de Monçon
ben mi cuid’eu que a cunca lhis varra.
Se lh’o bon Rei varrê-la escudela
que de Pamplona oístes nomear,
mal ficará aquest’outr’en Todela,
que al non á a que olhos alçar:
ca verrá i o bon Rei sejornar
e destruir atá burgo d’Estela:
e veredes Navarros lazerar
e o senhor que os todos caudela.
Quand’el-Rei sal de Todela, estrëa
ele sa ost’e todo seu poder;
ben sofren i de trabalh’e de pëa,
ca van a furt’e tornan-s’en correr;
guarda-s’el-Rei, comde de bon saber,
que o non filhe a luz en terra alhëa,
e onde sal, i s’ar torn’a jazer
ao jantar ou se on aa cëa.”

Este poema faz parte do iBook “Coletânea da Poesia Portuguesa – I Vol. Poesia Medieval”
disponível no iTunes.
Transcrição do Português antigo para o moderno de Deana Barroqueiro.

facebooktwittermailby feather