Nota biográfica >>

Irene do Céu Vieira Lisboa ( Arruda dos Vinhos, 25 de dezembro de 1892 – Lisboa, 25 de novembro de 1958), foi uma escritora, professora e pedagoga portuguesa. A escrita dominou toda a sua vida. A obra literária que produziu foi elogiada por alguns dos seus pares embora nunca tenha tido grande aceitação por parte do público.

Irene Lisboa – “Outro dia”

15.01.2012

Escrever assim …
escrever sem arte,
sem cuidado,
sem estilo,
sem nobreza,
nem lindeza …
sem maior concentração,
sem grandes pensamentos,
sem belas comparações,
não será escrever!
Mas assim me apetece,
que o entendam ou não,
que o admitam ou não,
escrever …
estender
o delgado, estiado,
inoperante
pensamento.
Este pensar
não é actuar mentalmente,
sequer,
é descansar …

Estive deitada,
e agora estou sentada.
Deitada via as nuvens,
brancas do sol,
brilhantes,
enoveladas.
Tanta brancura
à frente dos meus olhos!
Afogava-me nela.
De que me lembrava?
Nem eu já sei.
As ideias do dia,
picadas sem dor,
a que sorria,
como apareciam, desapareciam …
Realmente,
só na hora,
no pleno instante
de nos assaltarem,
frescas e imprevistas,
têm o seu sabor.

Deitada,
com a luz nos olhos,
sonhava … sei que sonhava…
na única coisa em que se sonha,
na única em que se pensa,
naquela que é a trama,
o fundo ora baço,
ora vivo,
persistente e teimoso,
das nossas preocupações …

Antes ensaiei vestidos,
mas todos usados …
Vestidos do verão, 

leves,
remoçantes,
que dá gosto ensaiar.
É uma experiência que se faz …
Vemo-nos ao espelho
e ele que nos diz?
Tudo o que desejamos
e também o que receamos …
Que me diz o espelho?
Fala-me dos olhos, 


fala-me do corpo,


engana-me …

Mas também me diz, 

tantas vezes!:
nada esperes,
és tola.

Ai que podem os vestidos, 

que podem os espelhos? 

Tempo!
Tu é que tens a última palavra! 

Corres,
e, sem dó, tudo inutilizas. 

Bem hajas!
Inutiliza! Mas não demores!


Destrói! Mata!
Que o pior mal,
de todos o pior,
é esperar,
sempre esperar.

(Arruda dos Vinhos, 1892-1958)

facebooktwittermailby feather
26062606