Nota biográfica >>

Trovador português, documentado no período compreendido entre 1220 e 1260, natural de Riba de Lima. Foi casado com Maria Soares, dona de Santarém, região onde parece ter-se fixado. Os Livros de Linhagens, onde o seu nome não consta, referem que João Martins, seu filho, documentado na região, foi igualmente trovador. Se não há confusão com o pai, as composições de João Martins não chegaram até nós. Acrescente-se, no entanto, que João Martins parece ter sido próximo do magnate e trovador D. João Peres de Aboim, o que talvez indique que Martim Soares o teria sido igualmente.

Martin Suarez – “Foi um dia…”

13.05.2016

poesia

Português moderno

Foi um dia o jogral Lopo
a casa de um infanção cantar,
e mandou-lh’ ele em pago dar
três coices na garganta;
e foram escassos, cuido eu,
pelo modo como canta.

Escasso foi o infanção
em repartir os seus coices,
pois não deu a Lopo então
mais de três na garganta,
e mais merece o jogralão,
pelo modo como canta.

Português antigo

Foy um dia Lopo jograr
a casa duū infançon cantar,
e mandou-lh’ ele por don dar
três couces na garganta,
e foi-lhe escasso, a meu cuidar,
segundo como el canta

Escasso foi o infançon
en seus couces partir’ enton,
ca non deu a Lopo enton
mais de três na garganta,
e mais merece o jograron,
segundo como el canta.

Este poema faz parte do iBook “Coletânea da Poesia Portuguesa – I Vol. Poesia Medieval”
disponível no iTunes.
Transcrição do Português antigo para o moderno de Deana Barroqueiro.

facebooktwittermailby feather
74817481