Bocage – “Se e doce no recente, ameno estio”

26.01.2015 | Produção e voz: Luís Gaspar

morte13

Se é doce no recente, ameno Estio Ver
toucar-se a manhã de etéreas flores, E,
lambendo as areias, e os verdores, Mole e
queixoso deslizar-se o rio:

Se é doce no inocente desafio Ouvirem-se os
voláteis amadores, Seus versos modulando, e
seus ardores De entre os aromas de pomar
sombrio:

Se é doce mares, céus ver anilados Pela
quadra gentil, de Amor querida, Que esperta
os corações, floreia os prados:

Mais doce é ver-te, de meus ais vencida, Dar-me
em teus olhos brandos desmaiados Morte,
morte de amor, melhor que a vida.

Facebooktwittermailby feather

Albano Martins – “O Novo Mandamento”

14.01.2015 | Produção e voz: Luís Gaspar

bombas14

Está criado
o novo mandamento. Aos pássaros
dirás: não cantareis; às flores,
não florireis. E florirão
as bombas. E morrerão
as pombas. E ao sangue
dirás: rio
serás. E sobre
os escombros erguerás
o homem novo, o seu cadáver, desenharás
a ferro e fogo o mapa
do luto e das lágrimas. E imporás,
enfim,
a liberdade. A liberdade
do terror e das armas. A liberdade
para matar.

Facebooktwittermailby feather

Sebastião da Gama – “Canção de guerra”

19.12.2014 | Produção e voz: Luís Gaspar

medo14

Aos fracos e aos covardes
não lhes darei lugar dentro
dos meus poemas. Covarde
já eu sou. Fraco, já o sou
demais, e se entre fracos
for me perderei também.

Quero é gente animosa que
olhe de frente a Vida, que
faça medo à Morte. Com
esses quero ir, a ver se me
convenço de que também
sou forte. Quero vencer os
medos… Vencer-me – que
sou poço de estúpidos
terrores, de feminis
fraquezas. Rir-me das
sombras, rir-me das velhas
ondas bravas, rir-me do
meu temor do que há-de
acontecer.
Venham comigo os fortes…
Façam-me ter vergonha
das minhas covardias. E de
seus actos façam (seus
actos destemidos)
chicotes prós meus nervos.
Ganhe o meu sangue a cor
das tardes das batalhas. E eu
vá – rasgue as cortinas que
velam o Porvir. Vá – jovem,
confiado, cumprindo o meu
destino de não ficar parado.

Facebooktwittermailby feather

Manuel Bandeira – “Confidência”

15.12.2014 | Produção e voz: Luís Gaspar

mao_de_morte14

Tudo o que existe em mim de grave e carinhoso
Te digo aqui como se fosse o teu ouvido…
Só tu mesma ouvirás o que aos outros não ouso
Contar do meu tormento obscuro e impressentido.

Em tuas mãos de morte, ó minha Noite escura!
Aperta as minhas mãos geladas. E em repouso
Eu te direi no ouvido a minha desventura
E tudo o que em mim há de grave e carinhoso.

Facebooktwittermailby feather

Luiza Neto Jorge – “A Magnólia”

02.12.2014 | Produção e voz: Luís Gaspar

magnolia14

A exaltação do mínimo, e
o magnífico relâmpago do
acontecimento mestre
restituem-me a forma o meu
resplendor.

Um diminuto berço me recolhe
onde a palavra se elide na
matéria – na metáfora –
necessária, e leve, a cada um
onde se ecoa e resvala.

A magnólia,
o som que se desenvolve nela
quando pronunciada,
é um exaltado aroma
perdido na tempestade,

um mínimo ente magnífico
desfolhando relâmpagos sobre
mim.

Facebooktwittermailby feather